CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
ISOLAMENTO
 
Trago de cabeça uma frase do mestre RAIMUNDO SOUZA, em que dizia, meu neto com quatro anos já conhece dinheiro (eu era o orgulho do vovô). No meu Urubu, na minha ITIÚBA, acho que só a dona Aurelina, não conhecia dinheiro. "Conhecer dinheiro" era saber o valor das cédulas, confundir dinheiro com outras coisas, ninguém confunde. Quer dizer, agora com essa Covid-19, atazanando a vida das pessoas, com esse ISOLAMENTO, não se usa mais dinheiro. Tudo, ou quase tudo o que se compra, é pago com cartão. De modo que dinheiro em espécie, circula muito pouco. E eu por conta disso (pode ser pela idade também), dia desses, quase passo pelo vexame de ser conhecido como alguém que não conhece dinheiro. Que não conhece literalmente!
Foi assim: em Santo André, na avenida Vieira de Carvalho, tem um ponto de ônibus bem em frente a um banco e num abençoado dia, eu estava lá aguardando o transporte coletivo, quando vejo um maço de papel ali no chão na minha frente. Olhava aquele pacotinho simpático, familiar, mas não me lembrava bem o que era aquilo. E como todos sabem, nessa quarentena, o movimento de pessoas é pouco, como também a circulação dos ônibus. Ainda bem, que o ônibus demorou, porque nesse impasse, do nada fui surpreendido por uma moça me perguntando: senhor, esse dinheiro aí no chão, é seu? Do nada também, me surpreendi com uma resposta que me salvou daquela situação: respondi, é sim, caiu aqui do meu bolso, mas na hora de pegar, a minha coluna travou, ainda bem que você apareceu. Você pegaria para mim? Ela agachou, pegou me entregou e eu pus no bolso. Agradeci, ela foi embora, em seguida o ônibus encostou no ponto e eu vim embora. Em casa, deixei ele na quarentena e quando fui conferir, tinha o suficiente para comprar carne, carvão e cerveja para um churrasco com os amigos, pena que o ISOLAMENTO não permite.

S. Paulo, 04/07/2020

 
CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 04/07/2020
Comentários