CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
TIROTEIO EM ITIÚBA

Amigo, não sou poeta
Porque não tive estudo
Falo que nem papagaio
Tem hora que fico mudo
Vou contar o tiroteio
Da cidade de ITIÚBA

No dia 10 de junho
Às onze horas do dia
A cidade em movimento
Um comprava outro vendia
E os bandidos na estrada
Ninguém de nada sabia

Vinha tudo bem armado
Pois é este o seu costume
No volante vinha um negro
Mais preto do que betume
Com os olhos faiscando
Parecendo vaga-lume



Na estrada de Andorinha
Vinham puxando mais de 100
Num carro preto roubado
Não respeitavam ninguém
Pegaram logo um tenente
Levaram como refém

Chegando em ITIÚBA
Eles disseram arrocha o nó
Começou o tiroteio
Pra eles era melhor
Porém o cabo Carvalho
Foi quem levou a pior

O Cabo vendo os bandidos
Ficou quase sem ação
Mas puxou seu 38
E botou na direção
Pegou em cima do braço
Que quase rompeu o pulmão

Os bandidos foram dizendo
Bota fogo na fornalha
Quem for rico fica pobre
Nós nunca perdemos batalha
Quem tiver medo de fogo
Não more em casa de palha

Deram dois tiros certeiros
Na perna do policial
Que caiu numa calçada
Saindo sangue demais
Pegaram logo urgente
Levaram pro hospital

Vou deixar o cabo Carvalho
No leito do hospital
Vou voltar pra Itiúba
Ver se lá tá tudo normal
E ver se me dão notícias
De algum policial

Os bandidos entraram no banco
Foi a maior confusão
Velho pulava pra cima
Outros deitavam no chão
O tiroteio parecia com a noite de São João

Os bandidos disseram ao gerente
Abra este cofre agora
E me dê todo dinheiro
Se não a coisa piora
Eu viro o banco do avesso
Toco fogo e vou embora

Pegaram todo dinheiro
Muito ligeiro e sutil
Saíram fora atirando
Com pistola e com fuzil
Quebraram toda vidraça
Lá do Banco do Brasil

Entraram numa farmácia
Ligeiro como o capeta
Quando o farmacêutico viu
Foi fazendo tuna careta
Bota o dinheiro pra fora
Se não cai na escopeta

Ali sem perda de tempo
A conversa foi ligeira
Foi buscando a gaveta
E levou todo dinheiro
De Real levou 500
De nica só deu o cheiro

No Mercadinho São Lourenço
Foi momento de terror
Uma bala na parede
Só o buraco ficou
Acharam um velho sentado
Dentro do congelador

Quininho do Carrancudo
Homem que tem muita fé
Saiu andando apressado
Mas depois ficou em pé
Acharam ele escondido
Num banheiro de mulher


O tiroteio durou
Mais ou menos meia hora
Uma bala variada
Derrubou um oratório
São Cosme pulou de dentro
Chamando por São Ozório

São Jorge naquela hora
Para a lua foi subindo
São João, acordou São Pedro
Por que estava dormindo
Quando São José olhou
Só via bala tinindo

Chiquinha da Pedra solta
Bisneta do Mané Gato
Deu três pulos para cima
Neste grande espalhafato
Com IO minutos ela estava
No Caldeirão do Mulato

Os bandidos na cidade
Mostravam sua bravura
A bala da escopeta
Destruiu a viatura
Depois saíram correndo
Pro lado da Prefeitura

Pegaram logo o gerente
Dizendo não faz lambança
O homem que serve a Deus
Sempre tem uma esperança
Pois foi logo liberando
No Contorno da Balança

Acharam o dinheiro pouco
Criou-se ódio e raiva
Ao sair de Itiúba
Eles disseram uma palavra
E falaram para o gerente
Que iam mas depois voltavam

Saíram em disparada
Pro lado de Cansanção
A polícia no encalço
Pra pegar qualquer ladrão
Parece que os bandidos
Entraram no fundo do chão

Eles deixaram o asfalto
O bando de marginal
Entraram em outra estrada
Para o lado de Piaus
Chegando no Carrancudo
Entraram no matagal

Um helicóptero por cima
Percorria a região
Da serra do Carrancudo
À serra do Boqueirão
A policia em diligência
Todos de armas na mão

 
Até esta data não se sabe
Dos bandidos o paradeiro
Nenhum deles até hoje foi preso
E ninguém sabe do dinheiro
Se alguém souber que denuncie
Esse grupo de bandoleiros

 
José de Souza irmão
 
José de Souza Irmão
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 17/06/2020
Comentários