CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
REPRESA DA TIA CLARICE

Silenciosamente as águas
Do riacho CABEÇA DE PORCO
Corriam, sem se importar
Com a minha ansiedade
Na verdade, decepção

Ela jurou que estaria alí
Antes do dia amanhecer
Pra desaparecer comigo
Rumo ao sul do estado
O sudeste do país, ou pra
Onde eu a quisesse levar
Contanto que, a partir daquele dia
A nossa felicidade, fosse plena

Não veio! E porque não veio
Até hoje eu não sei
Só sei que eu vim
Fui obrigado a vir. E vim só!
Vim parar aqui. Ainda estou só
E vou continuar só!
Aqui, ou em outro lugar
Mas lá, eu não volto mais
Nunca mais!
Primeiro, porque não quero vê-la
Nunca mais!
E depois, porque a laje, às margens
Do riacho CABEÇA DE PORCO
Que por tantas vezes
Foi nossa cama, à luz da lua
Está agora coberta pelas águas
Da represa da tia Clarice

S. Paulo, 07/08/2019


 
CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 06/05/2020
Comentários