CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
Capa Meu Diário Textos Fotos Perfil Livro de Visitas Contato
JUAZEIRO DA TIA MOCINHA

Hoje vim aqui, não pra falar
De lembrança. Vim pedir
Desculpas, que por acaso
Também é de uma lembrança

Mas vamos às desculpas:
Desculpa Jonito, Nauzinho
Zé Til, Neném do Bangue... e
Tantos outros que jogaram
Futebol, no campo em frente
À casa de d Mocinha. Vocês
Que no intervalo, e depois do jogo
Iam pra debaixo do JUAZEIRO
Em frente, tomar aquele arroz doce
Vendido pela célebre doceira
Pequena do Tatá (que DEUS a tenha)
E que por muitas vezes
Estava com gosto de aguado
Agora vocês saberão de quem
É a culpa!

Hoje estou velho, posso falar:
Eu ia com Dolores, assistir o jogo
Mas, só ia de companhia
Dinheiro pra comprar arroz doce
Eu não levava. Dolores, era moça
Jonito, ou outro rapaz
Era quem pagava. Mas só
Para ela e as outras moças
Acompanhante não tinha direito
Apenas ficava com água na boca

E me dava tanta água na boca
Que acho que era por isso
Aquele gosto de aguado
No arroz doce de vocês!

Doces lembranças da infância
À sombra do JUAZEIRO, onde
Ao meio-dia servia de descanso

E que não canso de lembrar
Tanto, que hoje vim aqui
Pedir desculpas. E lembrar


 
CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 27/04/2020
Comentários