CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato

AS MÃOS DA MAMÃE
 
 

A mão da mãe
Que de quando, em quando
Quando eu errava
Mandava umas palmadas
No meu lombo
Também pairava
Sobre a minha cabeça, e em
Nome de DEUS, me abençoava
E me benzia. Benzia às vezes
Com uma garrafa d'água
Com um galho de arruda...
Contra mau olhado
Ziquiziras, e outras mazelas
Que acometem ou acometiam
As crianças do meu nordeste

Mãe que me deste a mão
Quando a meus pés, o chão
Ameaçava ruir
Mãe que me fazia rir
Me fazendo cócegas nos pés
Com as mesmas mãos que
Depois de beijar e acariciar
As mãos incansáveis
(Magras e belas), do meu pai
Lhe preparava um escalda pés

Ah, as mãos do meu pai
Magras, belas e incansáveis
E viviam, quase sempre
Sujas de terra. Pela labuta
Pela luta na terra, para que
O filho, não precisasse, nunca!
"Sujar as mãos de terra"

Minha mãe, meu pai
Agora que estou crescido
Dia, após dia, fico é
Convencido, que as mãos
Que viviam incansavelmente
Quase sempre, "sujas de terra"
Que me davam palmadas
Merecem é palmas
Palmas e mais palmas. E paz!
Até o dia que, cansadas, forem
Pra debaixo da terra. E...
A partir daí o merecido repouso

Nos braços, nas mãos de DEUS

S. Paulo, 24/03/2019
CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 24/03/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários