CORDEIRO de ITIÚBA
Consulte antes um POETA
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário Textos FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato

A PELEJA DE COLLOR
A PELEJA DE COLLOR

Vou contar para os amigos
E quem mais der atenção
A história de um político
Que envergonhou a nação
Não é um incidente em antares
Mas queria que o Jô Soares
A levasse pra televisão

A saga desse cidadão
É para a você cidadão alertar
Tome muito cuidado
Na hora em que for votar
Atente para a narração
Pois ele mesmo fez questão
Da sua história contar

- Minha gente! Queiram escutar
Prestem muita atenção
Estudei em Nova York
Diplomei-me no Japão
Assumirei um compromisso
E se ninguém fizer feitiço
Acabarei com a inflação

Esta é a minha obrigação
Meu esforço não se limita
Farei tudo ao pé da letra
De forma boa e bonita
Sou faixa preta em caratê
Já fiz ponta até em tv
Num canal da Costa Rica

A oposição me critica
Zombando, faz pouco caso
Mas eu dou minha palavra
E nem um dia eu atraso
No primeiro tiro que eu der
O dragão dá marcha à ré
Pois meu chumbo, é um arraso

Não pensem que é acaso
Hoje é posse, chegou o dia
Estou ligeiramente nervoso
Mas é isso que eu queria
Tem chefe de toda nação
Pela boca, saindo o coração
Eu sou querido e não sabia

Ao meu lado o PC Faria
É da mais extrema  confiança
A Zélia foi convocada
Vai confiscar a poupança
Pra detonar a inflação
Até no bom Frei Damião
Depositei minha esperança

Quem espera sempre alcança
Aguenta aí, minha gente
Ainda não matei a fera
Mas ela já está doente
Com mais um golpe (mortal)
Ela então tombará afinal
E todos ficarão contentes

Enquanto eu for presidente
Os descalços e descamisados
Não ficarão à deriva
Jamais serão explorados
Só peço, não tenham pressa
Cumprirei à risca a promessa
Que fiz aos aposentados

Serão todos contemplados
Com uma governança eficaz
Ministros super competentes
Nos ministérios principais
Farei disto uma nova nação
E prenderei todo ladrão
De Brasília e de outras capitais

A oposição, não me dá paz
Porque meu plano não deu certo
Dizem que o governo é corrupto
Que o PC, é muito esperto
Um romance mais que normal
Entre a Zélia e o Cabral
Acham socialmente incorreto

Estou como que no deserto
Sem ter com quem contar
A globo que me apoiava
Agora só tem olhos pro Itamar
Até Pedro, que é meu irmão
Me denunciou à nação
Num complô pra me derrubar

Mas não vou renunciar
Há muito trabalho pela frente
Meus eleitores em Canapi
Sabem que eu sou inocente
Serei aclamado pelo povo
À presidência, volto de novo
Com meu governo competente

Não me deixem só minha gente
Faço aqui um apelo à nação
Vistam-se de verde e amarelo
E saiam com a bandeira na mão
Mostrem a estes esquerdistas
Que o povo é e está otimista
E não quer um governo tampão

Somente o Edson Lobão
Tem sido meu fiel amigo
Também o Roberto Jefferson
Está me livrando do perigo
No mais ninguém dá a mão
A um bom e honesto cidadão
Está parecendo um castigo

Estou sentindo o perigo
As ruas movimentadas
Muitos vestidos de preto
Outros com as caras pintadas
Suspeito que é o fim do sonho
Ficará aí o dragão medonho
Assustando meus camaradas

Acabou! Perdi a parada
Vou embora, fica a inflação
Mas nunca fiquei alheio
Lutei como político e cidadão
Mas não pensarei em vingança
Continuarei com a esperança
Que o tempo, é senhor da razão

Contei aqui minha versão
Omitindo algum fato? Talvez
Relembrem bem o episódio
Deixo a cargo de vocês
Eis aqui parte do meu ódio
Impublicável num simples papel
Reduzi neste livro de cordel
O que vivi naquele ano de cão

S. Paulo, 08/1996
www.cordeiropoeta.net







CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 22/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários